TRADUÇÃO PARA DIVERSOS IDIOMAS

Quarta-feira, 9 de Dezembro de 2009

A MINHA VIDA DE GE – Parte 9 (O desaparecimento do furriel Belo)


 


Em Camberembera, no interior da picada para a Macosssa, estava estacionado o GE 913, comandado pelo Alferes Aveiro e pelos furriéis Belo e Viana Ferreira (este falecido há poucos anos, vítima de cancro). O reabastecimento deste Ge era feito através da Companhia estacionada no Fúdze, por viaturas, quando a picada estava transitável, ou a pé, na época das chuvas.

Num determinado dia de Dezembro de 1973, quando estávamos em plena época das chuvas, um pelotão do referido (o 913), comandado pelo furriel Belo, desloca-se ao Fúdze para se reabastecer de artigos de primeira necessidade. Num determinado ponto do percurso, depararam-se com aquilo, que, na época seca, nem chegava a ser um riacho, mas um pequeno sulco na picada, onde, por vezes, corria um fio de água. Nessa altura, nesse sulco corria muita água e a picada estava extremamente escorregadia. O furriel Belo não avaliou o perigo que corria ao tentar atravessar, sem quaisquer medidas de segurança e tentou meter-se à água. Foi alertado pelos seus soldados para o perigo que todos iriam correr, mas, mesmo assim, meteu-se a caminho. Escorregou e três soldados tentaram agarrá-lo. A tarefa foi impossível e todos os quatro foram arrastados pelas águas. A notícia chegou de imediato ao Fúdze e, com dois pelotões do meu GE, desloquei-me para o local do acidente, não para evitar o que quer que fosse, mas para, a partir daí, tentar encontrar os corpos naquela zona. Foram dois dias de angústia, porque, a não ser duas espingardas G3 e o Racal (rádio de transmissões), não encontramos qualquer corpo ou vestígios deles. Como o leito continuava a ser muito escorregadio, só nos restava seguir o percurso do mesmo, até encontrar algo.

A meio da tarde do segundo dia de pesquisas, deparámo-nos com algo inesperado e terrível. Aquela corrente de água ia desaguar numa lagoa, com uma dimensão de cerca de 5 a 6 mil metros quadrados e infestada de jacarés. Um quadro horrível e que não mais me saiu da memória. Sentei-me, por uns momentos e, dada a amizade recíproca, dei por mim a chorar a morte de amigo, porque era impossível era impossível chegar com vida àquele local e, mesmo que, por milagre, isso acontecesse, seria impossível escapar àquela imensidão de jacarés esfomeados e que passeavam pela água ou pelas margens da lagoa.

Para descarregar a consciência, voltei a percorrer o riacho, agora no sentido inverso, mas nada mais apareceu. Regressei ao Fúdze, onde cheguei já bem de noite, e informei o comandante da Companhia de todos os detalhes.

Fiz o relatório da operação e o furriel Belo e os seus três soldados foram dados como desaparecidos.

Uma história trágica de uma guerra sem sentido.

 

Ovar, 9 de Dezembro de 2009

Álvaro Teixeira (GE)    

 

tags: , , ,
publicado por gruposespeciais às 15:13
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 14 de Junho de 2009

A MINHA VIDA DE GE - Parte 1


 


 


Nos finais do mês de Abril de 1973 fui nomeado para ir para os Grupos Especiais (GE´s), não porque, fosse voluntário, mas, porque era o mais novo da 3ª. C. Caç. do B. Caç. 20. Aceitei esta situação, não tinha outra alternativa, com o espírito de missão que tive, sempre, como militar das Forças Armadas Portuguesas. Era mais um desafio na minha curta carreira militar. A minha juventude e o espírito com que, sempre, encarei novos desafios foram, para mim, uma fonte de inspiração e de descoberta de outras realidades de uma Guerra na qual estava envolvido. Sabia, de antemão, que este novo desafio era perigoso, mas, por outro lado, só a possibilidade de sair daquele lugar perdido no extremo norte do Niassa (Olivença), ainda me motivou mais.

É óbvio que as saudades dos meus amigos, que deixei em Olivença, com os quais partilhei as agruras do que era viver no “fim do mundo” e percorrer uma imensidão de território, completamente despovoado, ficaram gravados, para sempre, na minha memória. Nunca mais esquecerei as noitadas de jogos na messe, os momentos de convívio no “parrot”, muitas vezes, ao som da guitarra dedilhada pelo alferes Oliveira, um ou outro “charro” de suruma que se fumava, com prazer e não por vício, as idas à pista de aviação, sempre que chegava o avião do Subtil, enfim, todos os pequenos prazeres que nos eram permitidos naquela situação, nos intervalos das operações.

 

 E lá embarquei eu, mais uma vez, no avião do Subtil para Vila Cabral. Recordo-me da última imagem de Olivença e, durante a viagem, não parei de olhar para mata que tinha calcorreado durante seis meses. As imagens que me iam passando pelos olhos eram de uma beleza imensa, mas continuava a estranhar a ausência de qualquer actividade humana em toda aquela área. Pela última vez, vi Nova Coimbra e o Lunho, com o belíssimo Lago Niassa como imagem de fundo e, perante aquelas imagens, interrogava-me como era possível haver guerra num paraíso!!??. Mas que ela existia, não havia dúvidas. Emboscadas, ataques a aquartelamentos e a arma mais cobarde que pode existir e de que a Frelimo se valia, que eram as minas. Esta arma cobarde foi a que mais mortos e estropiados causou nas nossas tropas, para além da desmoralização, que a detonação de um engenho destes, provocava, mas, para a Frelimo era extremamente útil, porque era a forma de colmatar a falta de combatentes para continuar a sua luta armada. O padre Mateus Gwengere veio, mais tarde, a pagar com a vida no “ Campo de Extermínio de N´telela”, a sua oposição à política seguida por Samora Machel, que, para aumentar o número de guerrilheiros, passou a seduzir os adolescentes e jovens estudantes moçambicanos para a guerra. O padre Gwengere opôs-se, porque, em sua opinião, aqueles adolescentes e jovens deviam continuar a estudar para serem os futuros quadros de uma Nação livre e independente, mas a formação maoísta do núcleo duro da Frelimo considerava que, em primeiro lugar, dever-se-ia conquistar a independência e, após isso, construir o “homem novo”. Os resultados estão à vista e falam por si…

 

Adeus, Olivença (04/1973)

Cheguei a Vila Cabral (Lichinga) ao fim da manhã. Como já estava habituado a estas viagens, também sabia onde encontrar os meus amigos de Ovar. A mensagem chegou a todos “Jantar oferecido por mim, no Planalto”. Todos os que estavam disponíveis, compareceram, mas o tema da conversa era a minha ida para os GE´s. Lá lhes expliquei a situação e, com mais ou menos uma “bazooka” de Laurentina, acabamos a noite.

Era altura de ir dormir, porque, no dia seguinte, esperava-me uma viagem cansativa até à Beira.

(continua…)
tags: , , , ,
publicado por gruposespeciais às 22:03
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Related Posts with Thumbnails

ver perfil

Subscrever a Newsletter do Blog

Insira o endereço do seu Mail:

Delivered by FeedBurner

posts recentes

A MINHA VIDA DE GE – Part...

A MINHA VIDA DE GE - Part...

arquivos

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

mais comentados

últ. comentários

E eu a pensar que na Alemanha, Suiça e por aí fora...
OH Álvaro,As informações da PIDE/DGS, chegavam mui...
Ficar em 2º lugar para as presidenciais, e arredar...
Caro Francisco Mota!Muito obrigado pela tua respos...
Amigo Vicente:Os meus cumprimentos.Grato pela rect...

tags

todas as tags

Submit Your Site To The Web's Top 50 Search Engines for Free!
Sonic Run: Internet Search Engine
Adicionar esta notícia no Linkk
Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!
Colmeia: O melhor dos blogs
Uêba - Os Melhores Links
LinkLog
Submit your website to 20 Search Engines - FREE with ineedhits!

Search Engine Optimization SEO

Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
blogaqui?
Central Blogs

Siga-me no Twitter
Loading

O Tempo em Ovar

Click for Ovar, Portugal Forecast
Get Your Frappr GuestMap!
Powered by Platial